O caso das Baleias Sardinheiras e das Baleias de Bryde

Estamos na época das Baleias de barbas passarem pelos Açores! Contudo ainda  há vários detalhes que  nos deixa intrigados no que diz respeito à identificação destes cetáceos. Um destes detalhes intrigantes são as semelhanças entre as Baleias Sardinheiras (Balaenoptera borealis) e as Baleias de Bryde (Balaenoptera edeni). Estas Baleias são parecidas tanto em tamanho como no formato do corpo, o que torna difícil a sua identificação quando as avistamos no mar, especialmente quando as condições climáticas não são as melhores ou se não nos conseguirmos aproximar o suficiente. Esta semelhança é tal que só no início dos anos 90 os baleeiros verificaram que estavam a caçar duas espécies diferentes.

 

Biologia de ambas as espécies

As Baleias Sardinheiras podem atingir 18 m de comprimento e 45 t de peso. Podem viver até aos 70 anos e alimentam-se sobretudo de krill, pequenos peixes e lulas. A sua coloração varia entre o cinzento e o castanho-escuro, por vezes quase preto. Quando mergulham podem ficar entre 5 a 20 minutos debaixo de água e quando retornam à superfície o seu sopro tem a forma de uma nuvem estreita que pode chegar aos 3 m de altura. São as baleias mais rápidas, atingindo os 60km/h em deslocamento. Nos Açores são geralmente avistadas em grupos de 2 a 6 indivíduos.

Resultado de imagem para sei whales
Baleia Sardinheira. Fonte: NOAA Fisheries

As Baleias de Bryde podem medir até 16 m de comprimento e pesar até 40 t no máximo. Vivem até aos 65 anos aproximadamente, alimentando-se sobretudo de krill e pequenos peixes. Geralmente apresentam uma cor acinzentada mas podem existir variações de cor, tamanho e estrutura das barbas entre populações de diferentes localidades, o que ajuda a dificultar a sua identificação. Passam a maior parte do tempo à superfície, mergulhando durante menos de 2 minutos, mas em mergulhos mais profundos, nos quais chegam a atingir os 300 m, podem ficar até 20 minutos sem vir à superfície. O seu sopro é alto e estreito, com 3 m a 4 m de altura.

 

Resultado de imagem para bryde's whales, noaa
Vista aérea de uma Baleia de Bryde. Fonte: NOAA Fisheries.

O que as distingue

A característica que nos permite mais facilmente diferenciar estas duas espécies é que a Baleia Sardinheira tem apenas uma crista que vai da ponta do cabeça até ao espiráculo, enquanto que a Baleia de Bryde possui mais duas cristas laterais além dessa. Quando conseguimos ver a cabeça das baleias podemos utilizar este critério, mas quando as circunstâncias não o permitem, a nossa missão dificulta-se.

Bryde's whale
Baleia de Bryde à superfície. São notórias as 3 cristas que distinguem esta espécie da Baleia Sardinheira. © J. Cotton

Quando regressam à superfície depois do mergulho é possível ver em ambas as espécies o sopro e a barbatana dorsal simultaneamente, mas uma peculiaridade da Baleia Sardinheira é que não arqueia tanto o dorso como as outras baleias quando mergulha. Ambas possuem barbatana dorsal alta e falcada (com a ponta curvada para trás) mas a das Baleias Sardinheiras pode chegar a medir 55 cm enquanto a da Baleia de Bryde atinge no máximo 35 cm. Além disso a ponta da mandíbula superior costuma ser bastante plana nas Baleias de Bryde, enquanto nas Baleias Sardinheiras tem tendência a ser curvada para baixo.

A altura do ano em que estas duas espécies são avistadas também pode facilitar a sua identificação. Ou seja, as Baleias Sardinheiras são mais comuns de ver nos Açores na Primavera, como o resto das baleias de barbas, devido às suas migrações anuais. Por sua vez, as Baleias de Bryde não efectuam este tipo de migrações, permanecendo em latitudes mais baixas, de águas quentes. Os indivíduos registados nas águas açorianas foram avistados apenas nos meses de Verão.

Ambas as espécies sofreram um declínio acentuado devido à baleação, sendo que se estima que actualmente existam 80.000 Baleias Sardinheiras, cerca de 1/3 da população que existia antes desta prática. Esta espécie está classificada como “Em perigo” pela IUCN. O número de Baleias de Bryde está estimado em cerca de 90.000 a 100.000 indivíduos. Portanto, quando avistamos uma destas espécies, independentemente de as conseguirmos diferenciar ou não, é sempre uma enorme sorte e emoção!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

en_GB