O meu trilho preferido: Serra Devassa

Existem cerca de 82 trilhos pedestres classificados no arquipélago dos Açores. Entre percursos com grau de dificuldade mais elevado e mais baixo, mais longos e mais curtos, surge um que se apresenta como uma boa alternativa a pessoas que gostam de fazer percursos pedestres, mas não querem caminhar durante várias horas.

O percurso pedestre da Serra Devassa localiza-se na zona oeste da Ilha de São Miguel, no maciço vulcânico das Sete Cidades. Conta com cerca de 5,5 km de extensão e por norma leva cerca de 2 horas a completar este percurso circular. As condições do terreno variam entre locais mais planos, locais com valas de água de profundidade considerável e locais húmidos e escorregadios.

No entanto, este é um local pouco conhecido pelas pessoas que vivem na ilha de São Miguel. Apesar da sua altitude máxima (aproximadamente 850 metros) colocar alguns entraves à visibilidade em dias de nevoeiro, ao longo deste trilho conseguimos observar muitas das coisas que caracterizam a nossa ilha. Temos locais onde se encontra grandes montes de Musgão (Sphagnum sp.), responsáveis por captação e armazenamento de água, algo muito característico desta zona de São Miguel, bem como existem também, ao logo do percurso, imensos exemplares de flora endémica dos Açores. Temos também uma vista fantástica sobre a parte oeste da ilha, podendo observar a costa norte, costa sul, o extremo oeste da ilha, bem como a caldeira de colapso das Sete Cidades e a sua Cumeeira circundante. No topo do Pico do Carvão (ponto mais alto do percurso), a vista é absolutamente inacreditável. Desse ponto, podemos observar as diversas lagoas circundantes, bem como a zona central da ilha composta pelo complexo vulcânico dos Picos, bem como se pode observar o Pico da Barrosa, sobranceiro à Lagoa do Fogo e, mais distante, o ponto mais alto da Ilha, o Pico da Vara.

            Na Serra Devassa podem encontrar-se ainda resquícios da antiga exploração de “leiva” – o substrato herbáceo constituído sobretudo pelo musgão – para as estufas de ananases, prática felizmente substituída por outras menos descaracterizantes do património natural Açoriano; lentamente, a natureza tem vindo a sarar tais feridas.

Depois de descer a montanha, é possível fazer um pequeno ‘’desvio’’ e visitar um miradouro onde se observa as Lagoas Empadadas, bem como descer até à zona onde estão as lagoas. No regresso ao ponto inicial, atravessamos por um local coberto por Cedro Japonês (Cryptomeria japonica) antes de reintegrarmos o ponto de partida a parte inicial que nos permite fechar o círculo do percurso.

São pouquíssimos os locais em São Miguel onde se consegue fazer um percurso pedestre fácil, com tantos exemplares de plantas endémicas, e com vistas inacreditáveis. São estes sítios que nos fazem ver São Miguel de uma forma diferente. Existem mais sítios semelhantes a este? Sim, existem mas nesses locais temos que caminhar durante várias horas e vários quilómetros.

Uma nota importante prende-se com o estado de degradação de partes do trilho. É importante preservar, e adoptar práticas mais sustentáveis, aquando da realização do mesmo.

Existem muitos sítios belos na nossa ilha, muitos percursos interessantes e com vistas espectaculares, mas como estas é difícil encontrar. E é por isso que este é o meu percurso pedestre favorito!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

pt_PT