Novo Projecto – Observação de Aves Marinhas em São Miguel

Observação de aves marinhas em São Miguel

3 de Outubro de 2018 – Inicio dos trabalhos

Durante o mês de Outubro, algumas espécies de aves marinhas começam a prepara-se para as suas migrações. Foi por isso mesmo que decidimos começar um novo projecto com aves marinhas na Picos de Aventura. Convidamos o Steve Geelhoed, um investigador do Wageningen Marine Research Institute que passou alguns dias connosco, dando-nos  formação e explicando-nos como identificar aves marinhas nos Açores.

O primeiro dia foi um sucesso! Tevemos um mar um pouco mexido com algumas ondas e vento moderado, mas nenhuma destas condições nos impediu de avistarmos aves no mar. Na viagem que realizamos de manhã avistamos vários Cagarros, tal como esperávamos, e avistamos ainda duas espécies de Moleiro, o Moleiro Grande e o Moleiro Pequeno. Foi uma manhã de sucesso!

Esquerda: Cagarro; Direita e em baixo: Moleiro Grande.

Esta viagem foi seguida de uma palestra sobre as aves marinhas onde aprendemos um pouco mais sobre as espécies que podemos encontrar no mar e em que alturas do ano, bem como as melhores áreas para as observar.

6Steve durante a palestra sobre a ocorrência de espécies de aves marinhas nos Açores.

De seguida fizemos uma saída ao pôr do sol. Com o arco-íris por trás e boas condições de mar, ancoramos perto do Ilhéu de Vila Franca do Campo onde podemos encontrar uma das maiores colónias de Cagarros.

Esquerda: Ilhéu de Vila Franca com o arco-íris por trás; Direita: Enquanto esperávamos pelo pôr do sol.

Assistimos a um maravilhoso pôr do sol e esperamos até que anoitecesse uma vez que este é o momento em que as aves voltam à colónia…

Pôr do sol visto do barco, junto ao Ilhéu de Vila Franca.

No meio da escuridão começamos a ouvir os chamamentos destas aves, uma experiência única! Podem ouvir o som destas aves no link. Estas aves alimentam as suas crias à vez, enquanto um dos progenitores fica no ninho, o outro sai para o mar e busca de alimento. À noite as aves vocalizam para encontrar os seus ninhos e os seus parceiros na colónia. O Cagarro era uma espécie garantida de ouvir nesta nossa viagem, mas o nosso objectivo era ouvir também alguns Painhos.

Além dos chamamentos destas aves, que criavam uma atmosfera de orquestra em nosso redor, vimos ainda um céu repleto de estrelas, alguns relâmpagos à distância e Imenso krill bioluminescente! Todos estes factores combinados fizeram desta uma viagem bastante especial. Infelizmente não conseguimos ouvir as vocalizações de nenhum Painho mas mesmo assim não desistimos e continuamos a nossa procura por estas espécies nos dias seguintes.

5-8 de Outubro de 2018 – período de testes 

Durante os dias seguintes as condições meteorológicas não foram as melhores para planearmos mais saías de barco para avistar aves marinhas. Tivemos de nos adaptar, por isso decidimos passar as nossas tardes a aprender um pouco mais sobre a ecologia destas espécies.

Esquerda: Previsão meteorológica pouco promissora; Direita: Partilha de ideias sobre a identificação de aves.

Aos fins de tarde realizamos mais saídas e testamos mais 2 localizações, desta vez de carrinha. Numa das noites tivemos connosco uma convidada especial, Molly Macleod, uma artista de som que gravou os chamamentos dos Cagarros. Estas gravações podem ser ouvidas no seu website www.mollymacleod.com!

Escutando os Cagarros com uma bonita vista perto do Farol no Porto da Caloura.

9 de Outubro de 2018 – Dia Final

O último dia deste projecto chegou depressa! Decidimos convidar os operadores turísticos com quem trabalhamos para se juntarem a nós. Começamos com uma apresentação dada pelo Steve Geelhoed, onde falou sobre os testes que realizamos no mar e em terra. Devido às condições meteorológicas não conseguimos realizar tantos testes quanto desejávamos e por isso não podemos falar muito no que toca à diversidade de espécies que vimos e ouvimos.  As nossas saídas nocturnas também foram condicionadas, sendo que muitas das que tinhas planeado fazer de barco acabamos por realizar de carrinha. Contudo, mesmo realizando estas saídas por terra, conseguimos igualmente ouvir os chamamentos únicos dos nossos emblemáticos Cagarros.

Para mostrar aos nossos operadores turísticos como seria uma saída nocturna, convidamos-los para nos acompanharem numa saída! Fomos até à Ferraria durante a noite num dia de lua nova, um dos dias em que as aves estão mais activas. De baixo dum céu estrelado conseguimos ouvir as fortes ondas a embaterem nas encostas bem como o som dos Cagarros. Foi uma óptima maneira de finalizar a nossa semana dedicada às aves marinhas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

pt_PT